top of page

MATÉRIA DA REVISTA "VICE" DENUNCIA BOLSONARISTAS POR APAGAREM RASTROS DAS FAKE NEWS SOBRE A COVID-19


A Revista Vice publicou reportagem na quarta-feira, dia 2 de junho, denunciando bolsonaristas por deletarem vídeos em seus canais do YouTube, para apagar rastros relacionados aos conteúdos falsos que provocam desinformação sobre à covid-19 e conspirações contra o Supremo Tribunal Federal (STF). A matéria, assinada por Raphael Tsavkko Garcia, aponta que o desaparecimento dos vídeos coincide com a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a atuação do governo do presidente Jair Bolsonaro na pandemia de coronavírus. Além e citar o trabalho da CPI que entrevistou membros e ex-membros do governo, a reportagem revela que "muitos dos envolvidos têm laços estreitos com o presidente Jair Bolsonaro, que classificou o vírus mortal como uma "pequena gripe".

Desde o ano passado, inúmeros vídeos do YouTube promovendo fraudes, curas milagrosas e conspirações relacionadas ao COVID foram enviados em canais ligados a apoiadores do presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro - alguns com milhões de assinantes. Em abril, centenas desses vídeos começaram a desaparecer.Os vídeos - que foram excluídos ou privados - promovem a desinformação sobre o "tratamento precoce" para COVID-19, como o uso de hidroxicloroquina e ivermectina. O uso de ambas as drogas tem sido incentivado pelos governos dos Estados Unidos e do Brasil, apesar de extensas evidências de que são ineficazes ou mesmo causam complicações. Outros vídeos promovem desinformação e conspirações sobre a pandemia como um todo.

A reportagem cita o jornalista Guilherme Felliti, que vem levantando informações sobre o caso. “Desde 14 de abril, quando o juiz da Suprema Corte Luís Roberto Barroso ordenou a instauração da CPI, tivemos um total de 847 vídeos apagados de 51 canais”, diz o jornalista e analista de dados. No entanto, Felliti nota que o YouTube não vem fazendo o suficiente para conter o problema imposto por figuras como Alexandre Garcia, Leda Nagle e Sikêra Jr. Segundo ele, “mais de 95% excluídos, não listados e tornados privados pelos próprios YouTubers. Se considerarmos apenas a partir de 14 de abril, havia 13 vídeos excluídos pelo YouTube.” Para Yasodara Cordova, da Fundação Ford, o problema levanta sérias questões aos gigantes da tecnologia e sobre a democracia na internet. A internet traz um caráter colaborativo para as instituições, então “quando falamos em políticas públicas de internet, temos que pensar que não levamos em consideração apenas uma instituição e seus membros, mas uma rede da qual a instituição faz parte”. disse. "Temos que pensar em como esta instituição atuará dentro desta rede".


Influenciadores de direita menos populares que excluíram vídeos incluem Gustavo Gayer, que tem 367.000 inscritos em seu canal; Fernando Lisboa (Vlog do Lisboa), com 685.000 assinantes; e Denne Sousa, com 376 mil assinantes. Eles excluíram 186, 24 e 22 vídeos, respectivamente, desde abril, de acordo com a pesquisa de Felitti.


“O medo de sofrer uma séria sanção institucional, com consequências reais na vida real, fora da internet”, é o que está impulsionando as remoções em massa, disse Yasodara Cordova, bolsista da Fundação Ford Mason no Centro Ash para Governança Democrática e Inovação.


Ela acrescenta que esses usuários “estão cientes de que estão agindo fora das leis que já existem e contam com a fraca resposta de nossas instituições”. Além disso, diz ela, há uma ligação entre a falta de ação do poder público e vários discursos feitos pelo presidente Bolsonaro, por exemplo, dizendo sem qualquer evidência que as urnas brasileiras (que são eletrônicas) poderiam ser fraudadas - à semelhança do que fez Donald Trump nos E.U.A. “Quando os apoiadores de Trump foram incitados a invadir o Capitólio, eles nunca imaginaram que teriam que responder institucionalmente por suas ações”, explica Cordova, acrescentando que “quando o FBI começou as investigações, muitos começaram a deletar vídeos, tweets e até mensagens de apoio enviado a familiares, por medo de sanções ”.


No Brasil, não é a primeira vez que apoiadores do presidente apagam vídeos em massa. No ano passado, durante uma investigação da Suprema Corte em uma rede de notícias falsas administrada pelo governo , milhares de vídeos foram excluídos de canais pró-Bolsonaro.


Como sempre, cabe ao YouTube moderar o conteúdo e remover vídeos que incitam à violência e espalham desinformação prejudicial. Mas Felitti não acredita que a empresa esteja fazendo o suficiente. “Ainda existem dezenas de vídeos pedindo o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. Não parece haver um esforço do YouTube para remover esse tipo de conteúdo”, disse.


“Como parte de nosso trabalho contínuo para apoiar a saúde e o bem-estar de nossos usuários, expandimos nossas políticas de desinformação médica COVID-19 de acordo com as atualizações das autoridades de saúde locais e globais sobre a eficácia da hidroxicloroquina e da ivermectina para tratar e / ou prevenir COVID -19. ”


Em 16 de abril, o YouTube mudou suas políticas para permitir a remoção de conteúdo que defendia métodos não comprovados de tratamento para Covid-19. Mas, como Felitti e Cordova apontaram, é uma medida insuficiente em meio ao grande volume de desinformação que circula, especialmente quando muito desse conteúdo está sendo feito por partidários do presidente - e do próprio Bolsonaro .


Um porta-voz do Google confirmou ao Motherboard que havia removido "vários vídeos" que violavam a recente mudança de política, mas não quis entrar em detalhes.


“Como parte de nosso trabalho contínuo para apoiar a saúde e o bem-estar de nossos usuários, expandimos nossas políticas de desinformação médica COVID-19 de acordo com as atualizações das autoridades de saúde locais e globais sobre a eficácia da hidroxicloroquina e da ivermectina para tratar e / ou prevenir COVID -19 ”, disse o porta-voz ao Motherboard em um comunicado.


Mesmo se o YouTube quisesse reprimir a desinformação da direita no Brasil, fazer isso não seria fácil. Diante das ameaças da Investigação Parlamentar e das recentes mudanças de política do YouTube, o governo de Bolsonaro anunciou que está planejando um decreto para limitar as capacidades de moderação das redes sociais no país e proibi-las de deletar postagens ou suspender usuários de suas plataformas.


O governo brasileiro tem interesse em impedir que as empresas de tecnologia moderem conteúdo que apóie seus pontos de vista e políticas. Antes mesmo da instalação da CPI, a agência de notícias Agência Pública constatou que a Secretaria de Comunicação do governo pagava aos influenciadores digitais milhares de reais para defender ideias do governo contrárias à ciência.


Portanto, diz Cordova, “temos que aumentar o alcance das instituições para democratizá-las ainda mais”. A internet traz um caráter colaborativo para as instituições, então “Quando falamos em políticas públicas de internet, temos que pensar que não levamos em consideração apenas uma instituição e seus membros, mas uma rede da qual a instituição faz parte”. disse Cordova. "Temos que pensar em como esta instituição atuará dentro desta rede."


Comments


JORNALISMO LIVRE E INDEPENDENTE_edited_e
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube
bottom of page