top of page

FÓRUM DE GOVERNADORES INFORMA QUE ONU ENVIARÁ 8 MILHÕES DE VACINAS AO BRASIL, DIZ EDUARDO LEITE

O governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite informou no início da noite desta sexta-feira (16/4) que a ONU vai antecipar o envio de 8 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 ao Brasil. A informação foi postada via twitter. "Recebemos a notícia, em reunião do Fórum de Governadores, de que ONU vai antecipar o envio de 8 milhões de doses de vacinas contra o #coronavírus ao Brasil. Serão 4 milhões em abril e 4 milhões em maio, todas do consórcio Covax Facility.


Foto: Maicon Hinrichsen / Palácio Piratini


Em outra postagem, Leite pondera: "Mesmo que tenhamos quase triplicado o número de leitos de UTI no RS - de 933 em março de 2020 para 2.473 neste momento -, a demanda poderá ser maior do que nossa capacidade hospitalar pode suportar". O governador gaúcho argumentou ainda, na sequência, sobre a importância da colaboração internacional para o Brasil. "Por isso, apelamos à ONU para que colabore no sentido de articular internacionalmente para que o Brasil tenha prioridade na entrega de vacinas para que possamos conter o avanço do #coronavírus nas diversas regiões do País".


Em reunião com governadores de Estados nesta sexta-feira (16/4), a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciaram a antecipação de doses de vacinas contra o coronavírus para o Brasil. Serão 8 milhões de doses do consórcio Covax Facility, das quais 4 milhões serão entregues em abril e as outras 4 milhões, em maio.


Em São Paulo, o governador Eduardo Leite participou da reunião e se manifestou representando os três Estados da região Sul. “Temos uma demanda e uma preocupação nacional em relação à imunização brasileira. Problemas sanitários, assim como questões ambientais, não respeitam as fronteiras que estabelecemos no papel. E a situação que enfrentamos no Brasil é especialmente dramática em função não só de falta de coordenação nacional, mas também desse enfrentamento às políticas de distanciamento que nos ajudariam a reduzir a incidência do vírus, o que acabou criando essa triste situação de milhares de mortes diárias”, ponderou.


A proximidade do inverno foi destacada como mais um motivo que causa preocupação aos governadores do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, uma vez que a queda das temperaturas faz surgir uma série de outras doenças respiratórias.


“No Rio Grande do Sul, estamos observando uma redução de casos e de internações, mas ainda num patamar muito elevado de ocupação das nossas UTIs e de leitos clínicos, porém sabemos que a mudança do clima traz novas demandas que farão com que mais pessoas busquem atendimento. Por isso, apelamos à ONU para que colabore no sentido de articular internacionalmente para que o Brasil possa vir a ser priorizado na entrega de vacinas, para que possamos conter o avanço do coronavírus nas diversas regiões do país”, ponderou Leite.


Mesmo que o Rio Grande do Sul tenha quase triplicado o número de leitos de UTI SUS em um ano – eram 933 em março de 2020 e, agora, são 2.473 –, a alta demanda de pacientes com Covid-19, acrescida de um crescimento de procura devido a outras doenças respiratórias, pode acarretar no colapso do sistema hospitalar.

“É muito importante que possamos ouvir vocês sobre assuntos que nos desafiam, como a ampliação da vacinação, quebra de patentes e produção de medicamentos e vacinas. Meu compromisso com vocês é de que a ONU vai redobrar os esforços para auxiliar o Brasil na ampliação da imunização e aquisição de equipamentos e medicamentos. Mas sabemos que isso não é suficiente. A resposta para o coronavírus depende não apenas da vacinação, mas principalmente de cuidados sanitários”, observou a quinta secretária-geral adjunta das Nações Unidas, Amina Mohammed.


O Rio Grande do Sul tem liderado o ranking de agilidade na vacinação entre os Estados brasileiros. Das 3.604.700 doses recebidas pelo Estado, 3.313.279 já foram distribuídas aos municípios gaúchos. Quase 2 milhões de pessoas (1.867.080) já receberam a primeira dose, o que equivale a 36,7% da população pertencente aos grupos prioritários. A segunda já foi aplicada em 480.564 pessoas, ou 9,5% dos grupos prioritários.


Além disso, o RS utiliza um sistema chamado de modelo de Distanciamento Controlado que analisa, semanalmente, 11 indicadores de propagação do vírus e de capacidade hospitalar. O modelo propõe protocolos sanitários que devem ser adotados pelas regiões, conforme a classificação da rodada. Nesta sexta-feira (16/4), ele chega à 50ª rodada e traz, pela oitava semana consecutiva, todo o Estado em bandeira preta, o que significa risco altíssimo – alta propagação do vírus e alta pressão hospitalar.


O consultor sênior do diretor-geral da OMS, Bruce Alyward, destacou que a organização está ciente da gravidade da situação enfrentada pelo Brasil. “Trabalhamos para, além da antecipação de vacinas, que o Brasil possa acessar doses extras de países da Europa e da América do Norte. Também queremos acelerar a importação dos insumos necessários para a produção de doses. Estamos cientes e fazendo o possível, mas reforçamos a importância de medidas de distanciamento social e testagem. Por maiores que sejam os efeitos econômicos, essas medidas são necessárias”, explicou.


No final de março, o Fórum de Governadores solicitou ao secretário-geral da ONU, António Guterres, uma reunião para discutir a pandemia do coronavírus no Brasil. No documento, assinado pelo governador do Piauí, Wellington Dias, os chefes de Executivo pediram sensibilidade, ajuda humanitária e auxílio na aquisição de vacinas contra a Covid-19.


Com informações da Secom

Texto: Juliano Rodrigues e Suzy Scarton Edição: Vitor Necchi

Comments


JORNALISMO LIVRE E INDEPENDENTE_edited_e
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube
bottom of page