top of page

DESAFIOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

Trazendo um diagnóstico de que o serviço atualmente oferecido à população é “caro, ruim,poluente e causa sofrimento em parcela significativa da população”, audiência pública proposta pelo deputado estadual Miguel Rossetto (PT), defensor da integração efetiva do sistema de transporte coletivo metropolitano, indica que o assunto deverá ser parte fundamental da agenda política não apenas em nível local ou regional, mas em nível nacional.

texto e fotos / Rafael Figueiredo Rosa


Rossetto apresenta elementos que indicam que o Parlamento gaúcho deve se posicionar na linha de frente de um amplo debate visando equacionar este grande desafio, objetivando a modernização, qualificação e adequação do sistema de transporte coletivo como um dos vetores do pleno exercício da cidadania, trabalhando “para construir uma alternativa segura,

confortável e módica para trabalhadores, estudantes e usuários em geral”.


De se ressaltar que a crise do transporte coletivo é um processo que se prolonga já há vários anos, sendo aprofundada na pandemia, quando o sistema praticamente entrou em colapso e necessitou de aportes do Poder Público para manter sua operação.

Outra questão, apontada pelo presidente da Metroplan, Francisco Hörbe, passa pela necessária integração institucional dos sistemas de transporte coletivo. “Sem fôlego para investimentos, o sistema é um aglomerado de linhas, aos moldes dos anos de 1980”, retratou, defendendo, ainda, a necessidade de se dar a instituição de tarifa única, a implementação de subsídios, a adoção de sistema de bilhetagem unificada sob gestão pública, além do fim da sobreposição de linhas urbanas e metropolitanas, que oneram demasiadamente o sistema e trazem inúmeros prejuízos aos usuários.


Fundamental para o processo de integração e qualificação dos sistemas de transporte coletivo na Região Metropolitana, a TRENSURB é outra questão de preocupação para os parlamentares e para os usuários, mostrando-se como essencial a retirada da empresa pública dos programas de desestatização que ainda encontram-se em andamento por parte do Governo Federal. “O que precisamos, de fato, é desprivatizar o controle tarifário. A TRENSURB presta um serviço considerado muito bom pelos seus usuários. Qualquer debate sobre sua privatização é, meramente, ideológico", frisou o metroviário Chico Vicente. Especificamente sobre esta questão, a presidente da Comissão de Segurança, Serviços Públicos e Desenvolvimento Sustentável, deputada Stela Farias (PT), assumiu um compromisso de promover, ainda em maio, uma audiência pública para tratar do tema, assegurando, também, que a questão envolvendo o transporte coletivo de passageiros também voltará à pauta de discussão do colegiado em uma segunda audiência pública.





Commenti


JORNALISMO LIVRE E INDEPENDENTE_edited_e
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube
bottom of page