top of page

Da crueldade da guerra, por Nora Prado (*)


Da crueldade da guerra há muito mais a condenar do que os destroços da paisagem e os escombros que ela sepulta em fração de segundos reduzindo vidas e histórias, únicas, à poeira e à desolação. Homens e mulheres equivalem a punhados de formigas enxames de marimbondos, subitamente, aniquilados.


Das atrocidades da guerra há tanto a lamentar quanto o pus das feridas abertas e a cegueira

dos bebês deformados sem misericórdia. Mães desesperadas e adolescentes sem rumo

perambulando atônitos por uma cidade desfigurada e murcha, sem contornos, para chamar de sua.


Das barbaridades da guerra, a pior delas é o cinismo dos generais e governantes calculistas, insistindo pela força bruta em nome do direito de defesa e retaliações desproporcionais.


Sobram braços e pernas destroçados, cabeças decapitadas e um fedor de carne queimada e apodrecida infestando o ar. Hospitais superlotados com centenas de inocentes esfolados vivos e milhares de corpos sem casa e pão. Falta comida e água, falta um cantinho onde se deitar alguma coisa semelhante ao que, um dia, fora um lar.


Sobram bombas e o som horrendo das metralhadoras vomitando ódio e humilhação, generalizada, perante órfãos da miséria e do desterro, gente sem direito a um país, um estado, uma casa para viver em paz.


Das atrocidades da guerra, por baixo do choro convulsivo e gritos de agonia escorrem dólares e acordos milionários entupindo a boca de poderosos desprezíveis e magnatas da indústria armamentista, lucrando os tubos, com essa chacina.


Da crueldade da guerra só me resta chorar sobre essas palavras numa espécie e de prece para anestesiar a desgraça e a dor Um rosário feito de lágrimas e ossos quebrados latejando

no deserto onde nada pode ser pior que a solidão de vivo, testemunhar a carnificina praticada por irmãos e a desesperança embalsamando os corpos a luz do sol.


Porto Alegre, 18 de outubro de 2023. (*) Nora Prado é atriz, poeta, professora de interpretação para Teatro e Cinema, atuou na Escola das Artes do Palco - SP.

Commentaires


JORNALISMO LIVRE E INDEPENDENTE_edited_e
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube
bottom of page