top of page

ASSISTA A "LIVE" SOBRE PARAÍSO FISCAL "OFFSHORES" E O GOVERNO BOLSONARO, TERÇA (5/10), ÀS 16 HORAS


O Blog da Dilma transmite uma “live”, a partir das 16 horas desta terça-feira (5/10), sobre Paraíso Fiscal ''Offshores” e o Governo Bolsonaro. O Especial Pandora Papers, projeto desenvolvido pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), que reúne mais de 600 repórteres de 151 veículos, em 117 países e territórios, investigou milhões de documentos de paraísos fiscais em todo o mundo. A investigação encontrou empresas em paraísos fiscais ligadas à elite política de mais de 90 países. O offshore de Paulo Guedes está entre as descobertas, assim como o da cantora Shakira.


No Brasil, participaram da apuração a Agência Pública, Revista Piauí, Poder360 e Metrópoles. Pandora Papers é a maior parceria de jornalismo da história, com milhões de documentos vazados e a revelação de segredos financeiros de 35 líderes mundiais, atuais e passados, mais de 330 funcionários públicos em mais de 91 países e territórios e um elenco global de fugitivos, estelionatários e assassinos. Os documentos secretos expõem negociações offshore do rei da Jordânia, dos presidentes da Ucrânia, Quênia e Equador, do primeiro-ministro da República Tcheca e do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair. Os arquivos também detalham as atividades financeiras do “ministro oficioso da propaganda” do presidente russo, Vladimir Putin, e de mais de 130 bilionários da Rússia, Estados Unidos, Turquia e outros países.  


Os registros vazados demonstram que muitos dos atores poderosos que poderiam ajudar a acabar com o sistema offshore em vez disso se beneficiarem dele, escondendo ativos em empresas e fundos sigilosos enquanto seus governos pouco fazem para desacelerar o fluxo global de dinheiro ilícito que enriquece criminosos e empobrece nações. Em uma era de autoritarismo e desigualdade crescentes, a investigação dos Pandora Papers oferece uma perspectiva inigualável de como o dinheiro e o poder atuam no século 21 – e como o estado de direito foi dobrado e violado em todo o mundo por um sistema de sigilo financeiro autorizado pelos Estados Unidos e outros países ricos.


As descobertas do ICIJ e seus parceiros de mídia destacam quão profundamente as finanças sigilosas se infiltraram na política global, e oferecem ideias sobre por que governos e organizações globais avançaram pouco para acabar com os abusos financeiros offshore. Uma análise dos documentos secretos feita pelo ICIJ identificou 956 empresas em paraísos offshore ligadas a 336 políticos e funcionários públicos de alto nível, incluindo líderes de países, ministros, embaixadores e outros. Mais de dois terços dessas empresas foram estabelecidas nas Ilhas Virgens Britânicas (IVB, ou BVI, na sigla em inglês), jurisdição há muito conhecida como peça chave no sistema offshore.


Pelo menos US$ 11,3 trilhões são mantidos “offshore”, de acordo com um estudo de 2020 da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com sede em Paris. Devido à complexidade e ao sigilo desse sistema, não é possível saber quanto dessa riqueza está vinculada à sonegação de impostos e outros crimes e quanto disso envolve fundos que vieram de fontes legítimas e foram relatados às autoridades competentes. 

Comentarios


JORNALISMO LIVRE E INDEPENDENTE_edited_e
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube
bottom of page