top of page

APÓS OLÍVIO ACEITAR O DESAFIO AO SENADO, EXISTE ESPERANÇA DE UNIDADE NA CANDIDATURA A GOVERNADOR?

por Alexandre Costa (*)

É cada vez mais remota a possibilidade dos partidos de esquerda e de centro-esquerda do Rio Grande do Sul formarem uma frente para disputar a eleição ao governo do estado, em outubro próximo. Nem mesmo os apelos do ex-presidente Lula foram suficientes para que o PSOL e o PSB se juntassem à federação formada pelo PT, PCdoB e PV. Porém, quando tudo parecia já estar definido, eis que Olívio Dutra anuncia, no final da manhã da última segunda-feira (25/7), sua disposição de concorrer ao Senado. O impacto da notícia foi tão forte que acabou mexendo com o cenário eleitoral.


Além de desestabilizar os adversários políticos, a candidatura do "Galo Missioneiro" resgatou sentimentos adormecidos e uma nostalgia contagiante, principalmente com os eleitores que se identificam com o PT. Mais do que isso, a candidatura de Olívio Dutra trouxe luz e esperança diante das ameaças à democracia brasileira e ao crescimento do fascismo no país.


O gesto de Olívio é mais uma demonstração da sua grandeza como político e cidadão e está acima de qualquer vaidade ou preocupação com a imagem. Mesmo diante do luto, em função da morte da sua esposa, Judite, Olívio soube dimensionar a importância e o significado, para o futuro do Brasil, das eleições que se avizinham. Além de renovar as esperanças dos eleitores que se identificam com as ideias de esquerda, a candidatura de Olívio nos remete a uma série de reflexões sobre as estruturas e os mecanismos utilizados internamente pelos partidos para definir seus rumos e suas posições políticas. Seja como for, o fato é que a esquerda gaúcha tem um candidato a senador com potencial eleitoral inúmeras vezes maior ao de qualquer dos pré-candidatos dos partidos considerados progressistas. No entanto, o que parece ser uma insensatez, apenas confirma o quanto as estruturas e os mecanismos partidários estão superados e em desacordo com os desejos e anseios da maioria silenciosa dos simpatizantes de esquerda. A dificuldade de dialogar e de buscar unidade política para construção de uma frente revela a existência de um abismo entre aqueles que participam da chamada vida orgânica dos partidos e os que estão à margem dos processos e das decisões internas dos mesmos.


Enquanto a minoria militante disputa cotidianamente toda e qualquer migalha de poder, a partir da visão das correntes políticas ou das estruturas formadas a partir de mandatos de parlamentares, a maioria silenciosa assiste à distância os rumos eleitorais.


A candidatura de Olívio Dutra tem muitos significados e permite resgatar bandeiras históricas para a esquerda. Diante da gravidade do atual momento político do país, cabe às lideranças gaúchas uma profunda e honesta reflexão sobre o real desempenho de cada partido na construção de uma frente em defesa da democracia e capaz de barrar o fascismo que se alastra por todo Brasil.


Ainda é possível sonhar? Ainda é possível construir uma candidatura de consenso, agregando ao menos o PSOL à chapa da federação? A decisão de Olívio de concorrer ao Senado não serviria de exemplo para Manuela D'Ávila rever sua decisão e assumir a candidatura, desta vez como cabeça de chapa na disputa para o governo do estado?


(*) Alexandre Costa é jornalista responsável pelo www.esquinademocratica.com.

2 comentários


mnazaredealmeida
mnazaredealmeida
29 de jul. de 2022

Ou uma das suplencias para o Senado, já que Manuela é um nome de expressão nacional, cujo teor político ela domina. Valoriza ainda mais o mandato coletivo que o PT propõe à Federação com PV e PC do B. E deixa vago ainda para negociação a vice-governadoria para o PSB de Beto Albuquerque ou Pedro Ruas, do PSOL. Eu, particularmente, simpatizo mais com uma composição com Pedro Ruas de vice. Considero Beto Albuquerque menos palatável, mas não impossível.

Curtir

Alberto Miranda
Alberto Miranda
27 de jul. de 2022

Ja um pouco tarde. Mas se acontecer temoa para ter sucesso e q ie pt tenha a geandeza de aceitar se bom grad

Curtir
JORNALISMO LIVRE E INDEPENDENTE_edited_e
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube
bottom of page