top of page

8 DE MARÇO: DENÚNCIA SOBRE ESTRUTURA PRECÁRIA DA CASA VIVA MARIA CONTRADIZ SUPERÁVIT DA PREFEITURA

Com informações: Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa)

No dia Internacional da Mulher (8/3), o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) recebeu denúncia sobre a falta de estrutura na Casa Viva Maria, abrigo do Município que acolhe mulheres em situação de violência doméstica e sexual e em risco de vida. Além da defasagem de profissionais especializados para atender casos de mulheres que necessitam de cuidados de enfermagem, a Casa também precisa, com urgência, de no mínimo uma geladeira industrial de 6 portas e mais um freezer. Por falta destes equipamentos, os alimentos ficam expostos e estragam, impossibilitando o consumo dos mesmos, conforme as fotos abaixo.


A denúncia expõem as contradições do governo do prefeito Sebastião Melo (MDB), que apesar de ter anunciado superávit de R$ 516 milhões no ano passado, tem deixado de investir, principalmente nos serviços de saúde. Além da Casa Viva Maria, recentemente o Hospital de Pronto Socorro (HPS), o Presidente Vargas e o Postão do IAPI foram alvos de denúncias e reclamações em função da precariedade dos prédios, do sistema de ar-condicionado e dos riscos que a falta de manutenção representa para pacientes e servidores municipais. Recentemente, um lustre caiu e um pedaço de gesso caíram do teto no Hospital Materno Infantil Presidente Vargas, atingindo uma funcionária. Felizmente, a servidora sofreu escoriações leves e já voltou a trabalhar.


VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Em média, são atendidas 30 pessoas por dia, durante 24 horas, na Casa Viva Maria. Na maioria das vezes, o local abriga mulheres vítimas de violência e seus filhos. Para dar conta desta demanda, a Viva Maria dispõe de dez quartos e de um total de 15 trabalhadoras: técnica responsável (nível superior), enfermeira, psicólogas, nutricionista, assistente social, além das monitoras.

O pedido para a reposição da geladeira e do freezer foi encaminhado em 2021 para a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), pelo Sistema Eletrônico de Informações (SEI), ferramenta utilizada no âmbito da Prefeitura para tramitar, de forma virtual, seus processos administrativos. As respostas foram sempre negativas, com a justificativa de falta de verbas.

Nesta quarta-feira, dia 8 de março, o Simpa esteve na Viva Maria, confirmando precariedade do aporte da Prefeitura em relação à estrutura de apoio e atendimento à Casa. De acordo com o diretor João Ezequiel, o Sindicato vai encaminhar notificação e pedido de providências para a SMS, além de levar o caso para outras instâncias. Apesar do superávit anunciado pela Prefeitura, Sebastião Melo segue à risca o modelo excludente do governo Bolsonaro, retirando serviços e programas daqueles que mais necessitam.

Comments


JORNALISMO LIVRE E INDEPENDENTE_edited_e
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube
bottom of page